victorian (3)

Colocando os últimos seis anos interpretando a doce Anna Bates para trás, Joanna Froggatt já começou a filmar seu próximo projeto chamado Dark Angel para a ITV. Ela interpretará asssina em série, bígama e adúltera Mary Ann Cotton. Apelidada de primeira assassina em série mulher da Grã-Bretanha, Cotton acumulou uma contagem de corpos extradordinariamente alta em um curto período de tempo. Ela envenenava suas vítimas a fim de melhorar sua situação social e financeira, enquanto permanecia sem suspeitas na sociedade vitoriana.

Acredita-se que Cotton assassinou cerca de vinte pessoas, incluindo diversos filhos seus. Dark Angel será um filme de duas partes, e mostrará a vida e o tempo da mulher que foi executada em Março de 1873. Ela também foi condenada a ter assassinado três de seus quatro maridos.

victorian (2)E Joana foi vista recentemente usando um vestido vitoriano com uma curta jaqueta preta, e um chapéu roxo combinando. O filme começará com Mary Anne Cotton como uma esposa e mãe devotada, mas em face a uma vida pobre e um marido vil, ela se torna uma mulher com o objetivo de uma vida melhor, e tentará alcançar isso utilizando de envenenamento. A sua arma do crime era arsênico, que ela colocava na comida de suas vítimas. Por conta das leis envolvido o registro de nascimentos, mortes e casamentos em meados de 1800, ela conseguiu escapar de seus assassinatos por anos, sem registro de que seus parentes e aqueles próximos dela tenham sequer suspeitado de suas ações.

Nascida em 1832, Mary Ann Robson viveu em relativa pobreza em Sunderland depois de se mudar para uma vila chamada Murton em Country Durham, aos oito anos. Depois da morte de seu pai, Michael, que trabalhava como minerador, em 1842, sua mãe se casou novamente e Mary Ann passou a aproveitar uma vida mais rica, graças a seu padrasto. Aos 16 anos, ela se mudou de casa e começou a trabalhar como criada em uma família de classe média, onde ela cuidava de dez crianças – acredita-se que foi daí que ela passou a detestar crianças.

Aos 20 anos, em 1852, Mary Anne se casou com seu primeiro marido, William Mowbray. Depois de viver por anos em Cornal, o casal se mudou em 1860, e foi aí que ela começou seus assassinatos. Enquanto seus motivos reais nunca foram explicados, acredita-se que ela matava seus maridos para conseguir o dinheiro do seguro. Acredita-se que ela tenha tido cinco filhos com Mowbray, mas quatro deles morreram de febre gástrica. Depois de se mudar, ela teve mais três filhos, e todos morreram das mesmas causas. O marido de Mary Ann morreu em Janeiro de 1865 após sofrer de complicações gástricas, deixando £35 para ela: o equivalente a seis meses de salário.

victorian (7)Sua escolha de arsênico para envenenamento era um método comum para assassinos na época, pois a morte ocorria com os sintomas eram similares aos de doenças gástricas. Os sinais de envenenamento por arsênico são envenenamento, diarréia e desitratação, que não eram bem entendidos na época. Por isso, acredita-se que existem muitas outras vítimas de Cotton, que são desconhecidas.

Aos 33 anos, a viúva mudou-se para Seaham Harbour com a sua única filha sobrevivente, chamada de Isabella. Lá, ela ficou próxima de um homem chamado Joseph Nattrass, mas quando ele casou-se com outra mulher, ela voltou para Sunderland, onde começou a trabalhar de enfermeira. Não demorou muito até que ela encontrasse outro marido: um de seus pacientes, George Ward, no verão de 1865. Ele morreu pouco mais de um ano depois, em Outubro de 1866. Sua morte ocorreu por conta de problemas intestinais. Depois disso, a filha de Cotton foi morar com a sua mãe.

Ela então foi trabalhar como governanta para o recém-enviuvado James Robinson. Ele três filho; um filho, que morreu misteriosamente poucas semanas depois de Cotton assumir o cargo, em 1866. Os dois se envolveram e ela ficou grávida; mas Cotton teve que voltar para a casa de sua mãe, que havia ficado doente. Nove dias depois de ter ficado com sua mãe, ela morreu. Ela então voltou para a casa de Robinson com sua filha Isabella. victorian (6)A criança morreu pouco tempo depois, e dois filhos de Robinson também morreram. Cotton, que estava grávida de Robinson, teve uma filha em novembro de 1867, mas ela morreu em Março de 1828. Pouco tempo depois, Cotton foi expulsa de sua casa, mas não porque Robinson descobriu os assassinatos: ele descobriu que ela tinha £60 em dívidas e que ela havia roubado dinheiro dele.

Ela então passou a viver nas ruas, mas não demorou muito até encontrar um homem chamado Frederick Cotton, através de sua amiga Margaret, que era irmã de Frederick. Margaret cuidava de Frederick e seus dois filhos, chamados Frederick e Charles. Margaret morreu em 1870, de problemas intestinais, e Mary Anne casou-se de forma bígama com Frederick, uma vez que ela ainda era casada.

Meses depois Frederick morreu, e Anne teve um filho chamado Robert. Ela passou a cuidar dos filhos de Frederick. Joseph Nattras, que era seu amante, passou a morar com ela. Depois, Anne ficou grávida de um outro homem, chamado John Quick-Manning. Ele morreu de complicações gástricas. Anne foi presa em 1873, por ter matado o filho de sete anos de Frederick.

victorian (1)Acredita-se que ela foi descoberta por ter dito “Não se preocupe muito. Ele irá como o resto dos Cottons” sobre um paciente que estava com cataopra. Pouco tempo depois, o paciente morreu, levantando suspeitas. Ela foi considerada culpada e setenciada a morte por enforcamento. Ela levou três minutos para morrer.

Inspirado no livro “Mary Ann Cotton: Britain’s First Female Serial Killer” de David Wilkson, o filme de duas partes será dirigido por Brian Percival, que também dirigiu Downton Abbey, e produzido por Jake Lushington.

Fonte: Daily Mail, TellysPotting

Anúncios