vic

Bem como oferecer proteção contra o sol, o guarda-sol (também conhecido como sombrinha ou parasol) é um item de moda antigo: desde a Grécia e Roma antigas os homens e mulheres usavam o guarda-sol como uma forma atraente de proteger-se contra os raios do sol. Originalmente, no entanto, sua função era mais complexa: comunicar a sua autoridade e posição. No final do século 18, o acessório foi se tornando cada vez mais popular desde a sua aparição na França e Itália.

Durante o século 19, os guarda-sóis foram um elemento importante para alcançar o look da época. Para uma mulher das classes superiores, uma tez pálida que exigia pouca ou nenhuma maquiagem era importante, pois reforçava o ideal do século 19 de inatividade e dependência de um marido, distinguindo-a das massas que precisavam trabalhar no sol.

No final do século 18, os guarda-sóis eram feitos e vendidos na França em lojas de diferentes artigos, mas a partir de 1808 alguns fabricantes começaram a se concentrar exclusivamente na venda de guarda-sóis e logo a produção começou a ser feita na Grã-Bretanha, e ao longo do final do século 18 ao século 19 um número surpreendente de patentes foi registrada na Inglaterra e França.

Seleção de guarda-sóis de uma loja de 1871.
Seleção de guarda-sóis de uma loja de 1871.

O estilo dos guarda-sóis eram itens lisonjeiros que se prestavam perfeitamente aos caprichos da moda. Seu estilo mudava sempre, influenciado pela silhueta dos vestidos, dos materiais, enfeites e cores. Os tamanhos também variavam: os guarda-sóis de 1840 e início de 1850 são um pouco maiores do que os de 1830, e menores do que os produzidos no final de 1850 e 1860. As armações eram feitas de cana ou barbatanas, e na década de 1840 e início de 1850 a maioria dos guarda-sóis já dobravam suas alças feitas de madeira e franjas de seda. As cores variavam de marrom, verde e azul, mas quase todos eram de tons escuros.

Em 1850, o guarda-sol começou a diminuir de tamanho, pois os chapéus usados pelas mulheres também diminuíam. As cores mais brilhantes apareceram, e franjas curtas eram mais comuns. Neste período que começa a aparecer aquele gancho na extremidade do cabelo, muitas vezes feito de marfim. Também é nesse período que aparecem a renda preta.  Em 1860, as alças se tornaram mais ornamentada, muitas vezes com esculturas intricadas.

Como qualquer outro objeto do período vitoriano, haviam regras sociais. Se uma mulher fosse a uma festa ou a uma mostra de flores, um guarda-sol elaborado poderia ser usado sem críticas, enquanto fosse consistente com o resto do vestuário da mulher. Já uma mulher rica nunca poderia ficar mal se usasse um guarda-sol preto coberto de renda. Alguns guarda-sóis poderiam ter suas capas removíveis, fazendo com que sua cor fosse adaptada para passeios de charrete ou festas. O preto também era usado para mulheres em luto, mas deveria ser simples, aparado com uma franja.

Veja mais algumas fotos de sombrinhas do século 19:

Parasol com cabo esculpido em marfim, entre 1830 - 1850.
Parasol com cabo esculpido em marfim, entre 1830 – 1850.

Parasol de 1832.
Parasol de 1832.

Parasol francês feito de seda, algodão, metal, pérolas e pedras semipreciosas. 1845.
Parasol francês feito de seda, algodão, metal, pérolas e pedras semipreciosas. 1845.

Parasol de seda com flores azuis e brocado metálico, com franja azul de seda e haste de madeira. 1850.
Parasol de seda com flores azuis e brocado metálico, com franja azul de seda e haste de madeira. 1850.

Parasol francês de 1850.
Parasol francês de 1850.

1860
Parasol feito de renda artesanal de bruxelas e forrado com seda de cor creme. 1860.

Parasol feito de seda, concha de tartaruga, metal e madeira. Americano, feito entre 1860 - 1865.
Parasol feito de seda, concha de tartaruga, metal e madeira. Americano, feito entre 1860 – 1865.

Parasol americano de 1870 feito de seda e madeira.
Parasol americano de 1870 feito de seda e madeira.

Parasol de 1870 feito de renda branca sobre renda preta com um elefante esculpido no cabo de marfim.
Parasol de 1870 feito de renda branca sobre renda preta com um elefante esculpido no cabo de marfim.

Parasol de seda verde com drapeados sobre haste de osso esculpido dobrável, 1880.
Parasol de seda verde com drapeados sobre haste de osso esculpido dobrável, 1880.

Parasol cheio de rendas e babados, 1885.
Parasol cheio de rendas e babados, 1885.

Parasol feito na provavelmente na França entre 1897-1901.
Parasol feito na provavelmente na França entre 1897-1901.
Bibliografia:
Development of Mid 19th Century Parasols“, de Marta Vincent
Those Parasol Days, late 19th and early 20th Century“, de Jacqueline Beaudoin Ross
Parasol Fashions“.
Anúncios