Era Vitoriana

Primeiro site brasileiro dedicado ao período Vitoriano, datado de 1837 a 1901.

A moda gestante e a gravidez no século XIX

mate

Não existe muito material escrito sobre a gravidez no período vitoriano, pois era ilegal a publicação de informações sobre controle de natalidade, e na literatura do dia a dia, os autores eram mestres em ‘produzir’ um filho sem qualquer menção à gravidez, que certamente procedia o evento. Ainda sim, esperava-se que as mulheres se casassem jovens e tivessem tantos filhos quanto possível – uma média de oito, dos quais cinco poderiam viver até a idade adulta.

A gravidez era considerada uma questão muito particular, e não é nenhum exagero especular que o termo ‘confinamento’ significava um pouco mais para as mulheres vitorianas. Até em determinado momento, a vida da mulher continuava como de costume, pois uma mulher grávida tinha que ser vista em público mesmo algumas vezes quando sua gravidez começava a ficar óbvia. Na verdade, também era esperado de mulheres da classe trabalhadora que trabalhassem até o dia do parto.

Raríssimo exemplo de um corpete de grávida, 1892.

Raríssimo exemplo de um corpete de grávida, 1892.

Mas em uma época em que uma cintura pequena era admirada, como é que as mulheres lidavam com a expansão de sua cintura e barriga? Com corpetes, óbvio, com laços extras nas laterais, que poderiam ser soltos conforme a gravidez avançava. Apesar do conselho médico explícito para não apertar muito os laços do corpete que poderiam prejudicar o desenvolvimento do feto, sem mencionar os órgãos, muitas mulheres usam espartilhos em suas gestações.  Fabricantes comercializavam ‘corpetes maternidades’, mas de acordo com uma professora da Universidade de Virgínia os espartilhos maternos não eram projetados para suportar a barriga, e sim mascará-la, para minimizar o tamanho do corpo da grávida.

Isso porque no período vitoriano a gravidez resultava na perda da independência – muitas mulheres perdiam seu emprego quando anunciavam sua gravidez, e as mais ricas não poderiam mais participar de festas, bailes e eventos públicos. Além disso, a sociedade mostrava a mulher como mansa e virtuosa, e a gravidez contradizia essa imagem ideal, pois mostrava evidências físicas de que a mulher participara de uma relação sexual. Isso mostrava que elas não eram criaturas recatadas e para não causar constrangimento ou desconforto para outros era esperado que as mulheres escondessem sua gravidez dos olhares públicos.

Também devemos considerar que muitas pessoas nasceram durante a era vitoriana, e nem todos eles – ou a maioria – não nasceram mal-formados porque suas mães usavam espartilhos. Além disso, as mulheres entravam em confinamento nas últimas semanas do nascimento, e provavelmente não usavam espartilhos em suas casas, e sim vestidos.

Vestido estilo 'wrapper' de 1850.

Vestido estilo ‘wrapper’ de 1850.

A peça de roupa mais popular para grávidas era o chamado ‘wrapper’ – uma peça de roupa de gola e mangas altas, folgado pelos padrões da época, que eram fechados inteiramente pelos botões na frente. A vantagem de ser capaz de tirar o vestido e colocá-lo sem ajuda era particularmente importante para uma mãe que amamentava. Mesmo sem estarem grávidas, muitas mulheres usavam wrappers como camisolas. Esses vestidos não eram usados em públicos, pois eram considerados adequados apenas para encontros pessoais informais.

Em meados do século XIX houve um estreitamento da cintura, mas como esse foi um processo gradual, muits mulheres poderiam adaptar as mudanças com fechos e cordões. As sais se tornaram amplas, permitindo alguma margem para manobrar as ancas e o estômago. As mulheres geralmente alteravam seus vestidos para a gravidez, ao invés de usar vestidos especificamente desenhados para esse fim. No final do século XIX, a cintura começou a baixar e a saia a alargar, a crinolina aumentou de tamanho, e as sais elaboradas poderiam ser usadas para esconder a gravidez.

Um cuidado curioso que tinha-se em relação com as gravidez era que, desde Renascimento, havia uma crença generalizada de que se uma mulher grávida olhasse para animais ou pessoas disformes isso de alguma forma se manifestaria em seu filho. Em 1858, a Arquiduquesa Sofia, sogra da Imperatriz Elisabeth da Áustria, escreveu ao seu filho, o Imperador Franz Joseph, para alarmá-lo do amor de sua esposa grávida pelos animais:

“Eu não acho que Sisi deve gastar tanto tempo com os papagaios, pois se uma mulher fica sempre olhando para os animais, especialmente durante os meses anteriores (ao parto) a criança pode crescer e se parecer com eles”.

Mulher grávida e seu marido por volta de 1878.

Mulher grávida e seu marido por volta de 1878.

A gravidez fora do casamento era muito raro entre as classes altas, pois as mulheres eram geralmente acompanhadas em suas atividades diárias. Nas classes médias, quando acontecia, a menina era obrigada a se casar ou mandava-a embora para dar à luz em segredo, e a criança enviada para adoação. Ao longo do século XIX, muitos recém-nascidos eram encontrados abandonados, geralmente estrangulados ou sufocados. Se a mãe fosse encontrada, poderia ser acusada de assassinato e condenada à morte. No caso de gravidez como consequência do estupro, os tribunais não faziam nenhum esforço para localizar o pai, e como consequência, muitas mulheres faziam um processo para apenas forçar o pai a pagar o que seria equivalente à pensão alimentícia hoje. Os homens muitas vezes negavam a paternidade, mas a mulher geralmente era creditada pelos tribunais e quase sempre conseguiam a pensão.

Nos Estados Unidos, e em grande parte da Europa, as mulheres eram definidas e julgadas por quão bem elas realizavam o papel de mães e filhas. Em 1800, as mulheres dariam à luz a uma média de sete ou oito filhos em suas vidas, e um levantamento feito em 1820 mostrou que 20% das mulheres davam à luz a 10 ou mais filhos. Em 1850 nos Estados Uniso a taxa de mortalidade infatil era 28%, e a chance de uma mulher morrer no parto era de uma em cada oito. A própria Rainha Vitória detestava ficar grávida – ela considerava as repetidas gravidezes como “um coelho ou uma cobaia do que qualquer outra coisa, e não muito agradável”. Ela também não gostava de amamentar, achando a prática repugnante.

Foto rara de uma mulher grávida de meados de 1880 posando sozinha para uma foto.

Foto rara de uma mulher grávida de meados de 1880 posando sozinha para uma foto.

A grande maioria dos nascimentos do século 19 aconteciam em casa, e eram assistidos por parteiras tradicionais que obtinham sua formação através de experiências práticas. Mesmo em 1900, mais de 90% dos partos ocorriam em casa. No final do século 19, os médicos, motivados em grande parte pelo potencial de rendimento dos nascimentos, começaram a oferecer os hospitais como uma lugar mais limpo e ‘científico’ para as mães urbanas terem os seus bebês, além de medicamentos para o alívio da dor (para as mães trabalhadoras, isso significava morfina e escopolamina, que além de aliviar a dor apagavam a memória do nascimento, podendo também causar complicações no parto).

Veja mais algumas fotos da moda gestante e de mulheres grávidas do século 19:

Vestido de grávida de 1899.

Vestido de grávida de 1899.

Vestido de grávida da Inglaterra, 1858 - 1860.

Vestido de grávida da Inglaterra, 1858 – 1860.

Roupa de sair de grávida, 1870 - 1879.

Roupa de sair de grávida, 1870 – 1879.

Um padre de Moldova e sua esposa grávida, 1870.

Um padre de Moldova e sua esposa grávida, 1870.

Um modelo diferente de corpete para grávidas.

Um modelo diferente de corpete para grávidas.

Mulher vitoriana grávida.

Mulher vitoriana grávida.

Foto rara de uma mulher grávida de 1860.

Foto rara de uma mulher grávida de 1860.

Margaret Gray, mulher grávida da Nova Zelândia, tenta disfarçar sua gravidez com um casaco largo na década de 1870.

Margaret Gray, mulher grávida da Nova Zelândia, tenta disfarçar sua gravidez com um casaco largo na década de 1870.

Mary Anne Downes, da Nova Zelândia, tenta disfarçar sua gravidez com um casaco largo na década de 1870.

Mary Anne Downes, da Nova Zelândia, tenta disfarçar sua gravidez com um casaco largo na década de 1870.

Conhecido como "vestido de chá", usado de manhã, também era comum para gravidas.

Conhecido como “vestido de chá”, usado de manhã, também era comum para grávidas.

Wrapper de 1863.

Wrapper de 1863.

Outro modelo de "vestido de chá" de 1895-1900. Embora fosse preferido por grávidas, não eram necessariamente usados só por elas.

Outro modelo de “vestido de chá” de 1895-1900. Embora fosse preferido por grávidas, não eram necessariamente usados só por elas.

Bibliografia:
Victorian Maternity Wear“,
Pregnancy in the 1800s“, por Amy Wilde
Pregnancy and Childbirth“, por Helena Wojtczak
Victorian Image of Pregnancy through Corsetry“, por Emily Bach
Maternity Wear: Nineteenth Century“,
12 Terrible Pieces of Advice for Pregnant Women“, por Linda Rodriguez McRobbie
Anúncios

31 comentários em “A moda gestante e a gravidez no século XIX

  1. Górgora de La Rosa
    26 de outubro de 2015

    Achei lindas as fotos de alguns vestidos wrapper e modelos de chá, mas que coisa estranha essas roupas nas gestantes. Acho que era por isso que quase não vemos fotos de grávidas nessa época.

    Curtir

  2. Cynthia Machado
    26 de outubro de 2015

    Demais!

    Curtir

  3. Eri Naldo
    27 de outubro de 2015

    que medo !…..da Rainha Vitoria a Devassa…(rs

    Curtir

  4. Kayo Aldama
    27 de outubro de 2015

    sempre quis saber sobre isso

    Curtir

  5. Gisele Leite Felisardo
    27 de outubro de 2015

    Adorei!! Como é maravilhosa a História e como é bom saber dos usos e costumes.

    Curtir

  6. Esmeh John
    6 de janeiro de 2016

    Meu Deus que horror a vaidade estava em primeiro lugar até na gravidez e já vem de longe outro tipo de vaidade que chega até nos dias de hoje sem pensar no Bebezinho.

    Curtir

  7. Valéria Alvarenga
    6 de janeiro de 2016

    Nossa, que ridículo isso gente. Quantos bebês e mães não devem ter tido vários problemas devido a essa vaidade.

    Curtir

  8. Amanda BraginsVolitova
    6 de janeiro de 2016

    É incrível e assustador ao mesmo tempo

    Curtir

  9. Géssica Rouse
    6 de janeiro de 2016

    Só uma observação: os espartilhos do século XIX não era uma vaidade. Esse período foi o mais massacrante às mulheres e seus corpos foram moldados de acordo com a preferência masculina e da sociedade em geral. Hoje nós temos opções de não seguir o que a sociedade impõe, mas naquela época não podia: mulher que não tivesse cinturinha, ou largas ancas, mãos e pés pequenos, pele pálida, não casava de jeito nenhum. Essa mulher provavelmente se tornaria prostituta ou morreria de fome. É ridículo? Claro… Sem dúvida que sim. Mas, mais do que isso, era cruel.

    Curtir

    • Maria Helena
      6 de janeiro de 2016

      Exatamente! Usar espartilho, roupas longas e fechadas eram para todas. Eram as exceções as mulheres que usavam saias curtas, mangas curtas e decotes. Hoje em dia é fácil achar isso repulsivo, mas não tinha opções. Sair sem corpete na época é mais ou menos igual sair de roupa transparente sem sutiã. Tem quem faz mas…. Não é bem visto, e nem respeitado.

      Curtir

  10. Joelza Ester Domingues
    8 de janeiro de 2016

    Outros tempos, outros valores.
    Mas eles perduraram muito depois da era vitoriana. Lembro de minha mãe, costureira, hoje com 98anos, aconselhando suas freguesas grávidas a esconderem a barriga para as pessoas não pensarem “coisas feias”.

    Curtir

    • Ronaldo Pauletto
      8 de janeiro de 2016

      Incrível e contraditório o fato de que um mesmo ato (o sexo) e sua consequência (a gravidez) possam ser avaliados de forma tão discrepante, ao se tratar de um homem ou de uma mulher. No caso do primeiro, prova de virilidade e, portanto, motivo de orgulho; para a última, demonstração de promiscuidade e motivo de vergonha.

      E ainda tem gente que não compreendeu a citação no ENEM da Simone de Beauvoir…

      Curtir

    • Ronaldo Pauletto
      8 de janeiro de 2016

      Não estou sendo juiz do passado, mas sim lastimando certas permanências no presente. 😉

      Curtir

      • Clayton Tozatti
        8 de janeiro de 2016

        Não podemos julgar o passado com os olhos do presente, se não corremos o risco de cometermos anacronismo histórico.

        Curtir

  11. Maria Helena Neves
    8 de janeiro de 2016

    Nossa! Deve ter sido uma coisa horrorosa. Nenhuma mulher poderia se dar o desfrute de aparecer grávida. Se no séc XX Leila Diniz foi super criticada por mostrar a barriga imagina em séculos anteriores.. rsrsrs

    Curtir

  12. Stefanne Santos
    8 de janeiro de 2016

    Ainda bem que vivemos em outra época. Mesmo assim é triste saber que as mulheres sofriam até nesse quesito. Ser mal vista porque estava grávida? Sexo era o quê? Algum tipo de crime? Ridículo

    Curtir

    • João Henrique
      8 de janeiro de 2016

      Na cabeça deles e de alguns hipócritas de hoje, mulher não nasceu pra ter prazer e sim para procriar. Prazer é com as quengas; mulher direita não pode. Pensamento ultrapassado…

      Curtir

      • Stefanne Santos
        8 de janeiro de 2016

        Ai que ridículo

        Curtir

  13. Vanessa Lunardon
    8 de janeiro de 2016

    Melhorou, mas ainda temos muito o que avançar mulherada…lidar com nosso próprio machismo e preconceito.

    Curtir

  14. Lucinha Silva Presley
    8 de janeiro de 2016

    Hipocrisia … Se a Mae deles nao tivessem “cometido erros” eles nao estariam la para contestar esses fatos ..

    Curtir

  15. Dina Florencio
    8 de janeiro de 2016

    Eu acho que muito se perdeu com esta revolução, respeito, carater e principalmente a moral. Enquanto a mulher se preservou não tinha esta bagunça de “pegar” vários em uma noite. Tanta banalidade fez a mulher perder o encanto e so “entrar na fila”. Os tempos não eram fáceis mas conseguir uma mulher tambe não era!

    Curtir

    • Maria Felicia
      11 de janeiro de 2016

      Dina Florencio em parte concordo consigo, infelizmente sempre houve mulheres que não se significam e dignificam assim como há homens que qualquer uma lhes serve, e é por causa destas mentalidades pequenas que muita gente não conhece a palavra RESPEITO!!!!

      Curtir

  16. Arali Dalsico
    8 de janeiro de 2016

    Hipocrisia? E as mulheres terem que fazer protesto pra ter direito de amamentar em público em 2015, pleno século XXI, não é demais?

    Curtir

    • Maria Felicia
      11 de janeiro de 2016

      Onde? NA EUROPA amamentam em zonas públicas, aliás em qualquer centro de saude é aconselhado alimentar o bebé com o leite da mãe… vamos ter atenção aos absurdos

      Curtir

  17. Deizi Franco
    9 de janeiro de 2016

    Incrível…como tempo tem poder,comparado ao século que vivemos,ou o que ainda irão viver….

    Curtir

  18. Suelen Cardoso Vieira
    9 de janeiro de 2016

    Como os costumes e visões mudam com os tempos …. Ao contrario hj a mulher no período de gestação é vista com bons olhos, e venerada pela sua dádiva de ser mãe … de carregar uma nova vida … Pois a mulher fica radiante …

    Curtir

  19. Marina De Abreu Ampessan
    10 de janeiro de 2016

    Queria ter uma máquina do tempo só para voltar em períodos assim e contar pra todo mundo que o futuro não tão bom, mas muita coisa melhorou! E nem precisa muito, minha bisavó ficaria encantada só de saber que hoje não precisamos ferver o leite e ele dura até uns 4 dias na geladeira! Rsss

    Curtir

  20. Márcio David
    11 de janeiro de 2016

    É a 1ª vez que vejo uma senhora dessa época nessa “versão”. Achei curioso 🙂 Obrigado!

    Curtir

  21. Anônimo
    15 de janeiro de 2016

    Era terrível esconder a gravidez, como se fosse vergonhoso. Agora, sinceramente, a moda era maravilhosa. Bj para todss as mulheres .

    Curtir

  22. Esmeh John
    5 de fevereiro de 2016

    Eh hoje temos todos os cuidados necessários se temos dinheiro e mesmo assim ainda tem mortes de mães e de bebês, realmente naquela época deveria ser algo que as mulheres não tinha outra saída e com certeza poderia descrever como a Rainha Vitória dizia…o que hoje é alegria a espera de um bebê lá então era tristeza pois era um filho atrás do outro

    Curtir

  23. Manuela Mané Ajuda Nunes
    8 de fevereiro de 2016

    A minha avó materna, Carolina d’Ajuda, pariu 14 filhos, mas só 5 chegaram à idade adulta. Passavam literalmente a vida grávidas, as Mulheres desse tempo. A minha Mãe dizia que os Homens, quando têm um desgosto, abatem logo, vão-se abaixo, mas que as Mulheres, quando voltavam a casa do cemitério onde tinham ido enterrar um Filho, iam logo para o fogão pôr a panela ao lume, que os outros precisavam de comer! As Mulheres aprenderam a fazer tudo a chorar, dizia ela!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 107 outros seguidores

Translate this

Siga-nos no Youtube

%d blogueiros gostam disto: