Era Vitoriana

Primeiro site brasileiro dedicado ao período Vitoriano, datado de 1837 a 1901.

Novo livro exibe bizarras e belas ilustrações que mostram a natureza bárbara da cirurgia do século 19

ima

Imagem de um livro de 1846 mostra uma cirurgia ocular para corrigir o ‘estrabismo’.

Imagine ter uma operação sem anestesia. Antes de 1846, quando o primeiro procedimento com o uso de entorpecentes para a dor foi utilizado, essa era a regra. Cirurgiões cortavam seus pacientes brutalmente, rachavam ossos e amarravam artérias enquanto eles estavam completamente consciente. Não sendo indicado para pessoas sensíveis, um novo livro contém imagens detalhadas de livros didáticos cirurgicos descobertos a partir do século 17, passando pelos século 18 e 19.

Desenhos horríveis mostram globos oculares sendo perfurados, cérebros cortados e pés arrancados – sem, repetindo, anestesia. O livro, chamado de Crucial Interventions, foi elaborado a partir de uma pesquisa na Wellcome Collection e escrito pelo historiador e médico Richard Barnett.

cirurgia (2)

Imagem de um livro de 1841 mostra como os médicos reconstruíram o maxilar inferior para previnir doenças de boca.

O século XIX viu grandes avanços na prática cirúrgica, com técnicas refinadas, ilustradas em cores, e divulgadas em livros impressos pela primeira vez. Antes disso, o anatomista John Hunter descreveu a cirurgia como “um espetáculo humilhante da futilidade da ciência”. A maioria dos pacientes morria de choque pós-operatório, infecção ou perda de sangue. A taxa de mortalidade após operações podia chegar a 80% em alguns hospitais em Londres.

Com 350 ilustrações coloridas e 256 páginas, o livro foi publicado pela  Thames & Hudson Ltd e pode ser comprado por até 20 euros. Ainda não há previsão de publicação no Brasil. Veja mais algumas imagens inebriantes do livro abaixo:

A ilustração à esquerda é de 1866 e mostra cirurgiões amarrando artérias na parte inferior do braço e do cotovelo para parar o fluxo de sangue. A ilustração á direita é de 1848 e mostra a anatomia da axila, com a artéria axilar.

A ilustração à esquerda é de 1866 e mostra cirurgiões amarrando artérias na parte inferior do braço e do cotovelo para parar o fluxo de sangue. A ilustração á direita é de 1848 e mostra a anatomia da axila, com a artéria axilar.

ima

A ilustração à esquerda é de 1846 e mostra cirurgiões realizando uma cirurgia para remover um câncer na língua. A ilustração á direita é de 1841 e mostra como os médicos amputavam os dedos dos pés (cortando-os simplesmente com uma faca).

ima

A ilustração à esquerda é de 1841 e mostra como os médicos realizavam uma cirurgia para remover a mama recosturar a ferida depois. A ilustração á direita é de 1856 e mostra como os médicos dissecavam o peito para revelar os pulmões, coração e principais vasos sanguíneos.

Fonte: Daily Mail

Anúncios

12 comentários em “Novo livro exibe bizarras e belas ilustrações que mostram a natureza bárbara da cirurgia do século 19

  1. Donizete Junior
    16 de janeiro de 2016

    Que incrível!

    Curtir

    • Augusto Assis
      16 de janeiro de 2016

      que desespero

      Curtir

      • Donizete Junior
        16 de janeiro de 2016

        Existem dois tipos de pessoa. HAUAHUAHAUAHAA

        Curtir

  2. Marina Reis
    17 de janeiro de 2016

    Aí que aflição!!! Imagina que boa parte das cirurgias nesse tempo eram sem anestesia…

    Curtir

  3. Anderson Lopes
    17 de janeiro de 2016

    Interessante e forte ao mesmo tempo…

    Curtir

  4. Marco Vinicios Terra Barreto
    17 de janeiro de 2016

    Tudo era mais difícil arcaico, entretanto graças a esses processos tivemos grande avancos

    Curtir

  5. Maria Antonia Camargo Bernardi
    17 de janeiro de 2016

    Nossa… incrível!!!

    Curtir

  6. Pedro Alexandre Lennon
    17 de janeiro de 2016

    Há muito tempo eu estava procurando um livro assim

    Curtir

  7. Daniel Silva
    17 de janeiro de 2016

    Em alguns lugares, a única coisa que mudou hoje em dia, foi o uso da anestesia, mas as consequências negativas para os pacientes, nas mãos de pessoas despreparadas e criminosas, continuam as mesmas de antigamente. Um verdadeiro terror!

    Curtir

  8. Camila Custódio
    17 de janeiro de 2016

    Como não amar história? ❤

    Curtir

  9. Morgana
    27 de julho de 2016

    Você pode me dizer como era feito o diagnóstico de alguém que tinha esquizofrenia ou psicopatia no periodo vitoriano?

    Curtir

    • Maria Helena
      29 de julho de 2016

      A esquizofrenia foi descrita pela primeira vez pelo Dr. Emil Krapeli (psiquiatra alemão, 1856 – 1926) no século 19. Ele era diretor da clínica psiquiátrica na Universidade da Estônia, e começou a usar os termos ‘demência precoce’, acreditando que a esquizofrenia sempre tinha um curso de constante agravamento no indivíduo, e que se houvesse qualquer melhoria ao longo do tempo seria apenas algo parcial. Embora ele não entendesse a esquizofrenia como entendemos hoje, ele distinguia, diferente de outros médicos, a esquizofrenia do transtorno bipolar. Os sintomas eram vistos iguais aos da loucura: comportamento social anormal, incapacidade de compreender o que é real, ouvir vozes, falta de motivação, ansiedade e depressão.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 16 de janeiro de 2016 por em Notícias e marcado , , , , , , , , , , , , .

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 107 outros seguidores

Translate this

Siga-nos no Youtube

%d blogueiros gostam disto: