Philippa

Durante grande parte do século 19, ser mulher era ser dependente, propensa a nervos, frágil e dotada de uma mente vários graus inferior às dos homens. Não se esperava que mulheres brilhassem academicamente ou atleticamente, e aquelas que tentavam fazer algo eram advertidas de que estavam correndo um risco terrível: a medicina convencional era clara ao dizer que estudar em uma universidade poderia levar uma mulher à loucura ou a esterelidade, ou ambos. Levaram gerações para mudar essa idéia, com uma longa série de estudos científicos e o trabalho duro de muitas mulheres. Mas podemos dizer que um dia que a mudança foi feita foi no dia 7 de Junho de 1890, quando pela primeira e única vez, uma mulher ficou no primeiro lugar nos exames de matemática da Universidade de Cambridge.

O curso de matemática de Cambridge era geralmente considerado o mais difícil desafio acadêmico disponível para mentes brilhantes do império britânico. A Universidade era sem dúvida o melhor local de aprendizado da Inglaterra, e passar no teste era uma garantia de uma carreira acadêmica estelar. Assim, o triunfo de Philippa Fawcett surpreendeu todos em Cambridge, assim como todos das outras grandes Universidades como Oxford, Harvard e Yale, que não admitiam mulheresem seus cursos: colégios separados haviam sido criados para mulheres na década de 1870, sendo gradualmente afiliados às universidades.

fawcettOs resultados dos exames sempre foram muito divulgados, com os melhores resultados recebendo grande aclamação. A pontuação de Philippa foi 13% maior do que a segunda pontuação, mas ela não recebeu o título que receberia se fosse homem. Nascida em meio ao movimento sufragista – a mãe de Philippa, Milicent, era sufragista e co-fundadora da Newham College, onde Philippa estudou – o feito de Philippa ganhou grande cobertura da mídia no mundo todo, estimulando muita discussão sobre as capacidades e direito das mulheres. Uma notícia no jornal Telegraph dizia:

“Mais uma vez, as mulheres demonstraram sua superioridade em face de um mundo incrédulo e um pouco antipático… E agora a última trincheira foi realizada por um assalto amazônico, e toda a cidadela de ensino acha-se aberta e indefesa diante dos estudantes vitoriosos de Newham e Girton. Não há mais nenhum campo de aprendizado do qual a mulhe não se exceda”.

Após sua pontuação, Philippa ganho uma bolsa de estudos em Cambridge, através do qual ela realizou uma pesquisa em Dinâmica dos Fluidos. Levando uma vida disciplinada e ordenada, ela acordava às 8h da manhã e raramente dormia depois das 23h. Estudava seis horas por dia. Philippa tentava ao máximo não se destacar: ela sabia que estava sendo observada, e se negava a dar munição para aqueles que tentavam provar que as mulheres que frequentavam faculdades eram excêntricas.

Philippa em seu quarto no Newnham College, em 1891.
Philippa em seu quarto no Newnham College, em 1891.

Em uma segunda prova, Philippa foi premiada com uma bolsa de estudos, e ela mais tarde se tornaria uma professora universitária. Em 1902, após 10 anos como professora, Philippa renunciou a sua posição e se mudou para a África do Sul. Ela se envolveu com o trabalho educativo pioneiro na África, incluindo o desenvolvimento de um sistema escolar e a formação de professores de matemática. Em 1905, ela retornou a Londres para ser assistente do Diretor de Educação do recém formado Conselho do Condado de Londres.

Philippa morreria solteira e sem filhos em junho de 1948, dois meses depois de seu aniversário de 80 anos e apenas um mês depois da Universidade de Cambridge autorizar que mulheres e homens pudessem estudar juntos.

Bibliografia:
DASH, Mike. “The Woman Who Bested the Men at Math“. Acesso em 11 de Fevereiro de 2016.
Philippa Fawcett“. Acesso em 11 de Fevereiro de 2016
Philippa Fawcett: a pioneer in education“. Acesso em 11 de Fevereiro de 2016

Anúncios